Páginas

Gasolina: qual usar?



            Quando passamos do motor glow para o gasolina, é normal algumas dúvidas surgirem; pois antes bastava ir a qualquer loja do hobby, pedir um galão - que geralmente era indicado pelo próprio lojista - e usar. Simples e prático [porém caro]. Mas agora é necessário decidir qual o tipo de gasolina e óleo utilizar, além da proporção da mistura... E estas são coisas que deixam qualquer piloto perdido em meio às opções e opiniões.

            Relutei muito em escrever sobre este tema, pois sei que é polêmico e de difícil consenso. O que vou expor abaixo são argumentos que escutei ao longo do meu tempo de hobby e que fazem sentido para mim. Fique a vontade para demonstrar sua experiência e opinião nos comentários, estamos aqui para aprender.




            Gostaria de deixar bem claro que não existe certo ou errado, a maioria das misturas irá funcionar por um bom tempo, mas apenas funcionar não basta para nós, precisa ser eficiente em todos os sentidos.


            A gasolina

            Podemos dividi-las em três tipos usuais (ou não): Comum, Premium e de aviação. A primeira é a que geralmente você coloca no seu carro (a aditivada é uma variação desta), a segunda é mais conhecida como Pódium (da Petrobrás), e a terceira é a famosa gasolina azul, a AvGas.

            A gasolina comum é a mais simples delas, seu maior problema é a grande quantidade de álcool em sua fórmula e, principalmente, a desonestidade de parte dos postos/distribuidores, que com o objetivo de enganar o consumidor, misturam mais álcool além de diversas porcarias no combustível. Por ter alta quantidade de enxofre (impureza), degrada-se mais rápido que as outras. Caso esta gasolina fosse pura, não haveria nenhum problema em utilizá-la, visto que suas características são recomendadas pelo fabricante. Ela é o único tipo que eu não indico.

            Podemos dizer que a gasolina Pódium seria um combustível intermediário em termos de qualidade, pois possui bem menos enxofre que a comum, porém ainda é comercializada em postos, o que não elimina a desconfiança em sua qualidade. Para mim sua principal vantagem é a facilidade de compra, pois basta ir a um posto BR com um galão adequado e comprar.

            Quanto às questões técnicas, ela é feita para rodar em motores de alto desempenho, carros e motos esportivas, por isso possui lubrificantes e aditivos especiais para tal fim. Sua octanagem (poder de explosão) é inferior à AvGas, e segundo os fabricantes de motor, ideal. Seu principal contra é a formação de borra (geléia) no carburador, o que pede manutenção periódica, além é claro, do álcool em sua fórmula que resseca as juntas do motor.

            Alguns pilotos recomendam “lavar” a gasolina Pódium, que se baseia em misturar água e deixar o combustível decantar. Pelos princípios químicos a água se junta ao álcool e se separa da gasolina, que pode ser retirada com os equipamentos adequados. Este procedimento seria perfeito caso não retirasse, também, alguns aditivos importantes da gasolina.

            Por ser um combustível especial para a aviação, a AvGas possui um maior controle de qualidade e menor risco de adulteração, porém só é possível de comprá-la em aeroportos e aeroclubes, o que dificulta muito sua aquisição. Infelizmente, muitas vezes sua venda não é realizada diretamente ao público, pois depende diretamente da política da empresa que a comercializa.

            Por não possuir álcool na fórmula, o chumbo é utilizado para aumentar sua octanagem, que por sua vez já é superior à recomendada pelo fabricante. Este combustível tem como segunda função manter o motor do avião [real] quente, pois ele trabalha em altas altitudes com temperaturas geralmente negativas; ao contrário dos nossos modelos, que voam a baixa altura.

            Como é uma gasolina mais homogênea em seus diversos lotes e possui poucas impurezas, a variação de regulagem é baixa e o aumento na potência é perceptível.

            A escolha cabe a cada piloto, tanto a AvGas quanto a Pódium são boas escolhas. Ambas funcionam, mas cada uma com seus prós e contras.


            Óleo para motor 2 tempos

            Como nossos motores à gasolina não possuem Carter, o óleo é adicionado diretamente ao combustível, como no glow; porém como compramos gasolina destinada a outro uso, devemos fazer este procedimento em casa.

            O óleo é uma parte importantíssima do combustível, pois é ele que garante que seu motor irá trabalhar nas condições corretas de lubrificação, e até mesmo temperatura.

            Os óleos são separados basicamente em três categorias: mineral, semi-sintético e sintético.

            O mineral é recomendado por alguns pilotos para amaciar o motor, e logo após esse ciclo, passasse a utilizar o semi-sintético ou o sintético.

            Sendo um óleo de boa qualidade, não importa muito sua composição para a maioria dos usos, exceto para voos de alto desempenho. Apesar de o preço assustar a princípio, o Motul 800 é um dos melhores óleos sintéticos em termos de tecnologia. Minha justificativa para o preço é: utilizamos tão pouco óleo para voar tanto, por que não comprar um de alta qualidade? Comprei um litro há mais de um ano e ainda tenho boa parte dele.


            Proporção da mistura

            Depois da árdua tarefa de definir qual óleo e combustível utilizar, chegou o momento de definir a proporção de mistura, ou seja, quanto de óleo colar em dada quantidade de gasolina.

            Já ouvi muitas confusões quanto à nomenclatura da proporção, que geralmente é fornecida em uma fração: 1:30 por exemplo... O correto é: 1 litro de óleo para 30 litros de gasolina, segundo o exemplo. Só isso, nada mais. Claro que para misturar quantidades menores de gasolina algumas contas simples são necessárias.

            Para facilitar sua vida, fiz a tabela abaixo mostrando a proporção e quantos ml de óleo são necessários para cada litro de gasolina:





            Entendendo a notação utilizada, podemos partir para a proporção ideal, que também pode ser encontrada no manual. Para amaciar, 1:25 ou 1:30; após isso, 1:40.

            Você pode cariar a proporção conforme seu gosto e experiência, já ouvi histórias que em competição de acrobacia chegam a utilizar até mesmo 1:100, para ter mais gasolina no combustível e aumentar a explosão e potência do motor. Mas acredito que esta proporção não valha a pena para uso normal.

            Não misture o combustível com o óleo para ficar armazenado por longos tempos, preferencialmente utilize no mesmo mês o combustível pronto. Para dicas de armazenagem leia este artigo.

            Atualmente utilizo Avgas com Motul 800 na proporção 1:40, caso queiram saber.


Quer ser avisado de todas as nossas postagens? Cadastre seu e-mail aqui.



            Ainda tem alguma dúvida quanto à gasolina ideal para você? Discorda do que eu disse? Deixe aqui embaixo seu comentário!



9 comentários:

  1. Experiência de 17 anos com motores gasolina. Avigas e motul 710 ou 800 na proporção de 1/50 a 1/60 (3w e zdz) e muita ventilação no motor.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela matéria. Já lí bastante sobre esse assunto.

    Motores DLe pedem no manual octanagem de 87 a 93, a gasolina comum já se enquadraria pois tem 87 de octanagem, a Podium possui 95 e AvGas azul, vendida em aeroportos brasileiros tem 100 octanas.

    Uso Podium com Motul 800 na proporção de 25ml de oleo para cada litro de gasolina.

    Já retirei os 25% do etanol anidro da Podium (27% na comum) e não funciona, a baixa fica excelente mas não dá regulagem em alta. O etanol anidro tem a função do chumbo na AvGas, porém não é cancerígena como o chumbo, motivo na qual não é permitida a venda nos posto de rua no Brasil. A proporção da mistura de etanol anidro atualmente é elevadíssima por causa do nosso governo querer insentivar as destilarias, mas quando começou a mistura era 13%. Pra se ter uma idéia na Argentina a mistura é de 12%

    ResponderExcluir
  3. Bom dia a todos,
    comprei meu primeiro motor a gasolina, DLE 20CC, e realmente não tenho experiência no motor a gasolina, gostaria de algumas sugestões de qual seria a quantidade da mistura pra amaciar e aproximadamente o tempo de voo, desde já agradeço a todos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dito no texto, usei 1:25 no amaciamento, e depois do décimo voo comece a reduzir até chegar em 1:40. O tempo de voo depende do tamanho do seu tanque.

      Excluir
  4. Só não esqueça que decantar a gasolina alem de tirar todos aditivos os minerais da água se misturam a gasolina e outras merdas da água tb química de colegial

    ResponderExcluir
  5. Por que os vendedores da DA austrália recomendam o óleo castrol TTS como segunda melhor opção para os motores DA e em primeiro lugar o óleo redline.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa pergunta, não sei te responder. Tente o contato com a assistência técnica da DA, talvez saibam te responder.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...