Páginas

Teste de alcance: um hábito que pode salvar o dia



            Na época do 72MHz o teste de alcance era algo muito comum de ser feito, principalmente pelo procedimento ser padrão para todos os rádios: deixar apenas um gomo da antena levantado e andar de vários passos do aeromodelo. Com a evolução para o 2.4GHz, o procedimento mudou um pouco, e caso não acesse a função específica do rádio, este procedimento é inútil. Inclusive já vi muitos “entendidos” fazendo o teste sem reduzir a potência do rádio, o que de nada adianta.





O teste de alcance (Range Teste) consiste em usar um recurso do rádio que reduz a potência do transmissor e verifica se mesmo assim o aero se mantém respondendo aos comandos. Geralmente este teste é feito afastando-se do aero entre 30 e 50 passos. Se nessas condições – de potência reduzida e de distância - o sistema de rádio continuar respondendo perfeitamente, ou seja, o link entre transmissor e receptor for mantido, quer dizer que existe boas condições de recepção de sinal e que são reduzidas as possibilidades de perda de sinal durante o voo.

Consulte no manual do seu rádio quais são todas as regras dele para o teste de alcance, mas geralmente é estar com o rádio desligado, apertar um ou mais botões, e ligar o rádio. Porém de um modelo, ou fabricante, para outro pode haver diferenças.

Para quem voa com rádio FM, geralmente este teste é feito com a antena do rádio abaixada e a 30 passos de distância. O aero tem que continuar a responder aos comandos e não pode haver tremedeira nos servos.


Caso o aero não passe neste teste, é necessário verificar diversas coisas como:

- Posição das antenas;
- Posição e localização do receptor;
- Possibilidade de interferências de outros componentes do aero como ESC, BEC, bateria, fiação;
- Caso o aero possua alguma fibra de carbono ou chapa metálica (entelagem aluminada) poderá estar blindando o sinal;
- Tensão (voltagem) baixa da bateria do receptor ou transmissor;


Depois de consertado basta refazer o teste e verificar se realmente resolveu o problema.

Dica: Peça para um amigo ficar perto do aero enquanto faz o teste e relatar caso alguma perda de sinal ocorra durante o teste. Então peça para ele virar o aero em várias posições: de lado, de costas e de frente. Em modelos combustão, o ideal é testar com o motor ligado, mas tome o cuidado de manter o avião preso para não ocorrer acidente.


Quando devo fazer este teste?

- Em todo aero novo;

- Sempre após qualquer modificação, manutenção ou reforma no aero. Numa reforma podem entrar outros materiais que podem interferir na recepção do sinal do rádio, ao manusear os fios dos servos, bateria e receptor, podemos provocar algum mau contato nos conectores;

- Após uma queda. Seja qual for o motivo da queda, mesmo que não quebre nada, o choque pode alterar a qualidade de recepção do receptor;

- Sempre que um aero ficar parado por muito tempo. O tempo, a umidade, a oxidação e outros fatores podem causar reações adversas nos receptores;

- Periodicamente. Tudo num aero sofre fadiga com o uso: os conectores, as soldas internas do RX e os demais componentes sofrem stress com o uso. Portanto, por segurança, determine uma periodicidade para executar o teste de alcance. Pode ser uma vez por mês, bimestral, semestral. Determine um período e refaça o teste.


Fala-se muito em qualidade de rádio, marcas, modelos e receptores genéricos, mas nada disso tem valor se o teste de alcance não for feito direitinho. O teste de alcance salva o aero e salva o seu dia.

Lembre-se também de fazer o check list antes de depois de cada voo, como já descrevemos anteriormente neste outro artigo.


Segurança no voo é tudo. Poucos minutos usados para checar seu aero vão diminuir as chances de uma lenha por falha do equipamento, afinal, o que mais queremos é diversão e levar os brinquedos para casa inteiros.


Quer ser avisado de todas as nossas postagens? Cadastre seu e-mail aqui.


            Já fez o teste de alcance hoje? Não sabia da existência dele? Deixe seu comentário aqui embaixo!



Escrito por Márcio Barcellos



3 comentários:

  1. Márcio, você tem toda a razão. O wue vejo hoje em dia por aí nas pistas, são muitos novos pilotos que aderiram ao hobby e somente se preocuparam em aprender a ficar com o modelo no alto e se esqueceram ou não foram informados das condições de segurança de vôo, check list anterior e posterior a decolagem e principalmente o princípio básico que é jamais voar seu modelo por trás do seu campo de visão ( atrás da cabeça). Trnho visto muitos carros sendo lenhados e até alguns acidentes com modelistas pela falta de informação e cuidado com as regras básicas do hobby. #ficaadica

    ResponderExcluir
  2. Mt bom o artigo... Faço em todos meus helis qd instalo um novo rx... as vezes qqd julgo necessário faço tb por desencargo de consciência... mas é isso mesmo... vamos vooooaaaaarrr com segurança!!! Abraços e bons voos. Flavio LHP

    ResponderExcluir
  3. Apenas lembrando que modelos com configurações mais complexas como por exemplo: GPS o que permite o copiloto de bordo, também pode implicar em inconvenientes durante o controle de voo se o mesmo não for devidamente testado.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...