Páginas

F3A, precisão




            Os aeromodelos próprios para F3A são raros de se ver nas pistas, apesar de ser a categoria de precisão mais antiga do aeromodelismo; se engana quem pensa ser necessário ter um avião específico para iniciar em competições, pois as limitações quanto aos modelos são tão poucas que você ficará surpreendido quando descobrir.






            Sendo sincero, nunca conheci muito sobre a categoria F3A, e pelo que sempre ouvi, pensava ser uma categoria mistificada e cheia de regras para participar. Tudo mudou quando entrei em contato com o Paulo Antenor para conseguir mais informações e escrever este artigo, aliás, muito obrigado pela ajuda Paulo Antenor. Percebi que tudo aquilo que “sabia” sobre F3A não passava de mito, e que os requisitos são tão simples quanto os do IMAC, categoria que já participei de competições.

            As regras da categoria principal da competição (FAI-F3A) são regidas pela FAI (Federation Aeronautique Internationale). Já as categorias Mini-FAI (promocional) e avançada são regidas pela Cobra (Confederação Brasileira de Aeromodelismo). A diferença entre elas é a dificuldade da sequência de manobras (gama).





            A gama e o julgamento seguem o padrão Aresti, que se baseia no desconto de pontos a cada erro do piloto. Manobras mais fáceis possuem um peso menor na nota do voo.

            Cada categoria possui sua própria gama - que é alterada a cada dois anos (em anos ímpares) após o campeonato mundial. A diferença é somente para a FAI-F3A, que possui três gamas:

            - Preliminares, gamas iniciadas com a letra P;
            - Semifinais e finais, gamas iniciadas com a letra F;
            - Desconhecida, é utilizada somente em competições continentais e mundiais, que é montada pelos próprios finalistas apenas 12 horas antes de ser voada. Cada piloto escolhe uma manobra para compô-la, considerando as acrobacias escolhidas anteriormente (posição, altura ...).



Exemplos de gama Mini-FAI e FAI-F3A


            Os requisitos de aeromodelo são muito simples:

            Mini-FAI:
            - Tamanho máximo: 1,75m x 1,75m (envergadura e comprimento);
            - Peso máximo: 5kg (desabastecido ou com baterias);
            - Escapamento original do motor ou pipa;
            - Tensão máxima da bateria: 42V carregada (10S LIPO).

            Avançada e FAI:
            - Tamanho máximo: 2m x 2m (envergadura e comprimento);
            - Peso máximo: 5kg (desabastecido ou com baterias);
            - Tensão máxima da bateria: 42V carregada (10S LIPO);
            - Ruído máximo do motor todo acelerado: 94dB (decibéis).

            Analisando os poucos requisitos para o aeromodelo estar apto a voar na competição podemos concluir: a grande maioria dos aeromodelos pode voar a Mini-FAI, categoria promocional com o objetivo de atrair novos praticantes. Posso competir com meu treinador? SIM ! Asa baixa? SIM ! Biplano? SIM ! Triplano? SIM ! Basta se enquadrar nas restrições citadas anteriormente que está valendo.

            Claro que um modelo específico bem ajustado possui um desempenho diferenciado, mas o melhor equipamento é aquele que você tem em mãos; por isso não espere até ter um equipamento “top” para começar, inicie pela Mini-FAI com seu modelo atual. Lembre-se que caso você treine com um aeromodelo alternativo, ao pegar um F3A terá maior facilidade de voo.





            Caso você queira e tenha disponibilidade de recursos, hoje os melhores modelos são dos fabricantes: Oxai, Sebart e Camodel; com motorização Hacker 10S (elétrico), ou motor Glow YS .180 4 tempos, e servos específicos de grandes marcas (Futaba, Jr e Hitec). A atual tendência é os motores com hélices contra rotativas, que buscam anular o torque ocasionado pelo uso de somente uma hélice.


            Dicas para competir na categoria:

            - Regule corretamente o CG;
            - Regule corretamente o ângulo de incidência do motor;
            - Utilize pouco comando nas superfícies para aumentar a precisão dos movimentos;
            - Treine muito...


            Materiais de referência:

            - Site da FAI (seção 4, aeromodelismo; seção F3, acrobacia aérea);
            - Site da COBRA;
            - Grupo F3A Brasil do Facebook (há muito material de apoio nos arquivos).


Quer ser avisado de todas as nossas postagens? Cadastre seu e-mail aqui.



            Esta é uma matéria básica sobre a categoria com o objetivo de incentivar novos participantes, caso tenha mais dúvidas sinta-se a vontade para perguntar aqui embaixo ou no próprio grupo do Facebook.



3 comentários:

  1. Amigo, desculpe fazer um comentário de forma a trazer dois pequenos erros no seu artigo, mas vou ter que fazer.
    As categorias "Mini-Fai" e "Fai-Avançada" não são regidas pela fai, elas são frutos de uma criação feita qui no brasil, de forma a facilitar a entrada de novos pilotos na competição. A fai só regulamenta a Categoria F3A.
    Os aviões de Mini-Fai e de Fai Avançada não são pesados nem verificado o seu ruído.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa se desculpar Michael, eu que devo lhe agradecer. Como não conheço a categoria me baseei inteiramente em mensagens trocadas com um dos envolvidos com o campeonato, talvez eu tenha interpretado errado o texto. Já corrigi. Sinta-se a vontade para comentar.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...